AutomobilismoCorridas e competiçõesFerrariFormula 1HistóriaMcLarenNiki LaudaPilotoSem categoria

Niki Lauda – Uma Lenda das Pistas. (Parte 2)

Niki Lauda foi um dos melhores pilotos de todos os tempos, estando no seleto grupo dos tricampeões do mundo.

Mas sua lenda não foi construída apenas por conta das vitórias. Elas são parte importante, sem dúvidas. Porém, há ainda o componente épico em sua trajetória.

Para homenagear esse grande piloto que infelizmente nos deixou em 2019, a Paíto Motors começou a contar essa trajetória.

No artigo passado falamos sobre o início da carreira de piloto, marcada pela rejeição na família, os empréstimos para correr na Fórmula 1, as primeiras temporadas e a chegada a Ferrari.

Após uma temporada de estreia promissora a bordo da Scuderia, em 1974, o austríaco conquistaria seu primeiro titulo mundial de pilotos em 1975.

Seria no ano seguinte, porém, que Niki Lauda protagonizaria alguns dos momentos mais incríveis da Fórmula 1.

Niki Lauda: a trajetória de um campeão

Niki Lauda x James Hunt

Após brilhar e dominar a temporada de 1975 da Fórmula 1,Niki Lauda chegava ao ano seguinte com amplo favoritismo.

Além de seu inegável talento a Ferrari também estava em ótima forma. Seus carros estavam entre os melhores da categoria.

Fonte: Reprodução do site Auction Catawiki: Niki Lauda Grand Prix 1975

Mas no meio do caminho havia um James Hunt.

James Hunt, o piloto pop star

O britânico James Hunt é considerado por muitos o último romântico do automobilismo, sendo comumente associado à rebeldia nas pistas.

Hunt não escondia seu gosto por cigarros, bebidas, mulheres e vicio em adrenalina. Era quase um George Best, talentoso e polêmico jogador de futebol inglês, das pistas.

Da mesma forma que Best, Hunt se tornou uma estrela pop em seu país.

Fonte: Reprodução do site: Snap Galleries: British F1 World Champion James Hunt

Após chegar a Fórmula 1 em 1973, o piloto acabou na McLaren quase por um golpe de sorte.

Ao final da temporada de 1975, Emerson Fittipaldi optou por deixar o time britânico e se juntar a Copersucar-Fittipaldi, a primeira e única equipe brazuca na Fórmula 1.

Sem que houvesse nenhum outro piloto de ponta disponível, a McLaren optou por contratar Hunt, que havia conquistado o 4º lugar naquele ano e estava sem equipe após a Hesketh Racing fechar as portas.

Fonte: Reprodução do site Reddit: James Hunt’s Hesketh 1975

Inicialmente o contrato entre equipe e piloto era de apenas um ano. E que ano foi aquele!

A temporada de 1976

Embora Hunt tivesse uma carreira sólida no automobilismo mesmo antes de chegar a Fórmula 1, muitos duvidavam se ele tinha o necessário para pilotar uma McLaren.

Naquela década a equipe inglesa era presença certa na disputa pelo título e o comportamento de Hunt, que beirava a irresponsabilidade, deixava um ponto de interrogação sobre sua performance.

Fonte: Reprodução do site The Daily Hoon: James Hunt

Logo na primeira prova da temporada, disputada no Brasil, a impressão negativa foi desfeita, com uma pole position.

Logo Niki Lauda percebeu que teria trabalho, mas o austríaco tinha um trunfo: a confiabilidade da Ferrari.

Com um carro mais estável, Lauda pulou na frente no início da temporada e abriu uma boa vantagem.

A primeira vitória de James Hunt ocorreu apenas na quarta prova, no GP da Espanha, mas não sem polêmicas.

Fonte: Reprodução do Site Motorsport Images: 1976

Inicialmente o inglês foi desqualificado. Sua McLaren estaria 1.8 centímetros mais largos que o permitido pela FIA.

A decisão foi revertida posteriormente em recurso movido pela equipe. Essa, porém, não foi à única polêmica daquele ano.

No GP Grã-Bretanha, Lauda e Hunt se envolveram em um acidente logo na primeira volta, obrigando a prova ser parada e recomeçada.

Fonte: Reprodução do site Reddit: James Hunt and Niki Lauda in 1976

James Hunt tentou participar da disputa com o carro reserva, o que não foi permitido. Durante esse tempo, contudo, a McLaren conseguiu consertar o veículo original.

O piloto inglês não apenas participou como venceu a prova em casa, mas foi desqualificado posteriormente após a Ferrari alegar que ele não tinha permissão para correr.

Fonte: Reprodução do site Locos Del Motor: James Hunt F1 1976

Assim, a rivalidade entre Lauda e Hunt e Ferrari e McLaren ultrapassavam as pistas.

Tudo parecia para conspirar para o segundo título do austríaco até o GP de Nürburgring.

Nurbürging: o “inferno verde”

Nurbürgring é um templo do automobilismo. Seu traçado original está entre os mais extensos, difíceis e perigosos do mundo.

E isso era uma verdade na década de 1970.

Fonte: Reprodução do site: Le Repaire des Motards: Circuit du Nurburgring

Embora fosse o piloto mais rápido naquele circuito, uma semana antes da prova de 1976, Lauda tentou promover um boicote a prova.

Os motivos eram as precárias condições de segurança no percurso de 23 Km do autódromo. Incluso a falta de equipamentos para o combate ao fogo.

Lauda acabou sendo derrotado em votação realizada com os demais pilotos e sem alternativas foi para o grid.

Fonte: Reprodução do site Autoportal

Na segunda volta, o austríaco se envolveu em um acidente.

Sua Ferrari saiu da pista, bateu na barreira de proteção, pegou fogo, voltou à pista e bateu no carro de Brett Lunger.

Preso nas ferragens, o piloto teve parte de seu corpo queimado, especialmente na região da cabeça, e inalou grandes quantidades de gases tóxicos.

Lauda não faleceu naquele momento porque o piloto Artur Merzario o retirou do carro em chamas. Merzario, não foi único piloto a parar. Lunger, guy Edwards e Harald Ertl, também.

Fonte: Reprodução do site GP Today: The Second Chance Niki Lauda

Vale destacar que no momento do acidente Lauda utilizava um capacete que não encaixava direito em sua cabeça. Como resultado sua face ficou exposta as chamas no momento do acidente.

O retorno às pistas

Com o acidente, tudo mudou e o caminho para o título de James Hunt parecia aberto.

O inglês venceu Nürbrurging após a saída de Lauda, e no GP seguinte, na Áustria, prova boicotada pela Ferrari, terminou em 4º lugar.

Hunt ainda venceria o grande prêmio da Holanda sem a presença do austríaco.

Quem vê a cena do acidente do GP da Alemanha não acredita que Niki Lauda ficaria de fora apenas por duas etapas.

Mas foi isso que aconteceu. Em Monza o piloto já reassumia o cockpit da Ferrari para terminar a temporada.

Fonte: Reprodução do site McLaren Racing

Sua performance, porém, ficou comprometida e nas últimas 4 provas do campeonato conseguiu no máximo uma terceiro lugar no GP dos EUA.

Ao fim da emocionante temporada James Hunt se sagraria campeão por apenas 1 ponto de diferença. 69 a 68.

Para Hunt, 1976 foi seu auge. O britânico teria mais três temporadas decepcionantes antes de se aposentar do automobilismo em 1979.

James Hunt, British racing driver who won the Formula 1 World Championship in 1976

Já para Lauda aquele ano foi fundamental para a construção de sua lenda, mas não foi o único.  O austríaco ainda teria alguns feitos para marcar a história.

No próximo artigo iremos te contar o restante dessa trajetória e como, mais uma vez, Niki Lauda surpreendeu o mundo.

E para ficar por dentro de todas as novidades de nossa loja curta nossas páginas nas redes sociais!

Até a próxima!  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *